Vocação em Moisés

Vocação em Moisés

O chamado vocacional de Deus tem uma origem, “a família, berço das vocações”; a vocação sempre é um chamado e aguarda uma resposta pessoal, mas cabe aos pais motivar, se alegrar e, vamos dizer, ajudar o desenvolvimento de uma vocação ou, eles mesmos, serem inspiração desta vocação. (Dom Orlando Brandes).

A vocação e a missão como mandato de Jesus Cristo a todo batizado. Formando consciência de que todo batizado é chamado pelo Pai, em Jesus Cristo, na força do Espírito Santo, para o anuncio do Reino, e é preciso responder a este chamado (Mc 3,13-14). Jesus não chamou ninguém que estivesse ocioso, porque para seguir Jesus é preciso renunciar alguma coisa por amor a Jesus. Podemos observar o chamado de cada um dos Apóstolos.

Os que estavam pescando, os que trabalhavam no campo, os cobradores de impostos, e assim vai chamando um a um. Moisés estava de boa apascentando o rebanho de ovelhas de seu sogro, e foi além do deserto que Deus o chamou. Para comunidade de Efésios (Ef 4, 1-6); Paulo exortou para andarem de modo digno da vocação ao que foram chamados, na mansidão e humildade, mas fazendo tudo pelo vinculo do amor no Espírito.

Pensar em vocação é falar da experiência de Deus que homens e mulheres concretizaram em suas vidas, ao vivenciarem sua vocação, compeliram-se em responder ao chamado de Deus. Estar maduro para assumir determinada vocação significa estar preparado, com uma consciência lúcida, não se deixando mais levar por impulsos. Em Cristo nós compreendemos a revelação da vocação humana, e por Cristo encontramos condições para que se realize no seu seguimento a força para responder dia a dia o chamado do Pai, sendo que o vocacionado vai descobrindo o seu lugar na missão “em comum unidade”.

Desde que vamos atingindo um nível de amadurecimento, o que mais ambicionamos na vida é saber qual é a vontade de Deus a nosso respeito. A vocação é um chamado de Deus para uma missão, que se origina na pessoa como uma reação-aspiração do ser, o amor e o serviço. Todo ser humano tem uma aptidão para exercer uma determinada vocação. Um médico só poderá ser feliz e ser referencial para outros médicos se a sua experiência vivida como médico é sua realização mais intima do seu ser. Assim acontece em todas as profissões, se for por amor as suas renuncias são verdadeiras, desde os estudos, os plantões, e a vivencia como tal vocação a exercer um dom dado por Deus. Fora disso é uma atividade que executa por remuneração. NUNCA SERA FELIZ.

A vocação sacerdotal é olhar em Moisés e entender o chamado para ser o libertador do povo oprimido. Moisés tem uma experiência com Deus, mas não fica somente para sí, mas sente a necessidade de levar outros a vivenciarem essa experiência por que nele há o Espírito de Deus. Moisés age com a Palavra de Deus. A liberdade dos Mandamentos vence a murmuração causada pelo legalismo.

O caminho da vocação de Moisés inicia em Êxodo (Ex 3,1-15; 4,1-17; 6,2-13.28-30; 7,1-7), mas vai além do Novo Testamento. Deus de Israel surge a Moisés em uma chama de fogo, do meio dessa sarça que inflamava, mas não se consumia. Deus chama-o pelo nome: “Moisés, Moisés”. E ele responde decididamente: “Eis me aqui”. A vocação de Moisés consiste em tomar consciência da situação de injustiça que o povo sofre. Ele compreende que Deus o chama, mas tem medo. Moisés apela para vários argumentos, entre eles, o de não saber falar, isto é, de não ter a palavra de profeta. Mas ele se torna o libertador dos oprimidos, dos pobres de Deus. Moisés vence o medo.

O chamado de Deus em Moisés veio através de uma figura de sarça ardente que não se consumia, e o seu chamado qual foi à figura? O seu coração esta ardendo pelo chamado? Você já teve uma experiência com Deus para buscar entender o seu chamado e parar de ter duvidas de sua vocação, queira buscar ser feliz. A interrogação pela qual é saber a vontade de Deus, depara-se, por vezes, em caminhos específicos que nos são oferecidos pela Igreja para a vivência da nossa vocação fundamental à santidade. Perante as bifurcações no caminho, qual deve ser a nossa escolha? Como tomar a decisão correta? Como cumprir a vontade de Deus?

Gostaria de apresentar este maravilhoso poema:

“Da galheta cheia

uma só gota

foi chamada a participar

da Oferenda Divina.

Por que aquela e não outra?

Não vemos nada!

Não sabemos nada!

Comoveu-me a placidez

da água restante

que logo a seguir

lavou,

humilde e feliz,

as minhas mãos de pecador!”

(Dom Hélder Câmara)

Como entender então se sou vocacionado e para que? Como discernir e quais os elementos para adquirir este discernimento e sentir segurança na escolha vocacional e profissional? Senhor tu me chamas? Como entender o convite e a voz do Senhor? Quais as revelações e mediações que estou escutando? Muitas perguntas são feitas em nosso intimo? Sócrates (470 a.C) dizia que se conhece um homem inteligente pelos questionamentos que ele faz…. O quê? Como? Por quê? Onde? Quando? Mas eu gosto mais de uma frase que “Não são as respostas, mas as perguntas que movem o mundo”, diz uma vinheta da TV Futura.

Venha em nossos encontros vocacionais, e deixar-se questionar pelo Espírito Santo, olhar para seu interior e perguntar-se, porque eu existo? O que tem me trazido paz, alegria, como chegar a um juízo reto com base na luz e nos frutos do Espírito Santo.

Texto: Sem. Wailson Francez

Imagem: Moisés e os Dez Mandamentos – Philippe de Champaigne, Século XVIII

Uma resposta

  1. Sandra Evangelista
    | Responder

    Muitoooo Bomm o artigo, aprendi MUITO, e concerteza vou começar a seguir o site de vocês. Parabens !!!

Deixe uma resposta