Madre Leônia: uma história que começa em Londrina

Madre Leônia: uma história que começa em Londrina

postado em: Artigos | 0

madre-leonia   É muito comum as pessoas se encantarem com as histórias dos santos e suas obras, fundações, radicalidade e alegria em servir ao Senhor. E quando falam destes bem-aventurados sempre os relacionam com o passado e lugares distantes. Mal sabem que em nossa cidade há uma história que envolve uma freira cheia de alegria, radicalidade, obras e fundações: Madre Leônia Milito.

  Nascida em Sapri, na Itália (23 de junho de 1913), Leônia sempre foi muito dedicada à evangelização. Em 1935 ingressou no convento das Franciscanas Pobres Filhas de Santo Antônio e em 1954 veio com um grupo de religiosas em missão para o Brasil. Dedicando-se aos pobres, madre Leônia sentia-se feliz em sua vocação, mas por ordem de seus superiores foi chamada para junto com suas irmãs a voltar para a Itália. Sentindo o chamado de Deus para continuar seu trabalho nas terras brasileiras, Milito encara um novo desafio, a fundação de uma nova congregação: As Missionárias de Santo Antônio Maria Claret.

  Com a ajuda do bispo Dom Geraldo Fernandes Bijos (claretiano), conseguiu a fundação na diocese de Londrina. Com o pequeno grupo de irmãs que junto com ela abandonou o convento franciscano, iniciam um novo ardor missionário baseado no carisma do seu bispo fundador, Dom Geraldo. A corajosa madre com suas filhas inicia um trabalho que mais tarde chegaria aos outros continentes. Fundando asilos, orfanatos, lares e creches as irmãs claretianas desenvolveram o carisma frutuoso de anunciar a Boa Nova e o Serviço da Caridade.

  Tendo já sua obra crescido e atingindo todos os continentes, a missão terrena de Madre Leônia Milito se encerrou no dia 22 de julho de 1980. Tendo ela um ardor missionário tão grande, Deus só pôde encontrar-se com ela em um único lugar, o caminho para a missão. E então em um acidente de trânsito, a Serva de Deus inicia uma nova missão: interceder por nós. Seus restos mortais se encontram em Londrina, no Santuário Eucarístico na avenida que recebeu seu nome. Ali muitas pessoas vão para fazer pedidos e agradecer às graças obtidas pela sua intercessão.

Matéria de Sidnei Barbosa

Deixe uma resposta